quinta-feira, 7 de março de 2013

''O Lado Bom da Vida'' - Livro + Filme

Oi pessoal, venho por meio deste post contar-lhes o que eu achei do livro e do filme de ''O Lado Bom da Vida'' ou ''Silver Linings Playbook'. Primeiro, o livro:

 

Sinopse: Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um "tempo separados". Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes da internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. Uma história comovente e encantadora, de um homem que não desiste da felicidade, do amor e de ter esperança.

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh! E-A-G-L-E-S, EAGLES!!! 

Pat é um viciado em jogos de futebol americano, ex-professor, bipolar, impulsivo e uma pessoa de bastante personalidade. Forte personalidade! Ele acaba de ser tirado do lugar ruim (uma espécie de centro de tratamento psicológico) e enfrenta bastante conflitos internos ao voltar para casa. Seu pai não fala com ele e parece que sua mãe é a única que entende o que ele passa. As pessoas que falam com ele, parecem sentir pena e acabam dando desculpas esfarrapadas do porque abandonaram ele em um momento em que ele precisava muito. Sem falar em Nikki, que é a grande razão dele ter ido parar no centro de tratamentos. Nikki é sua ex-esposa, e que ele lembra que a ama muito, e lembra também que antes dele entrar no lugar ruim eles começaram com o ''tempo separados'' e o que ele mais espera é terminar com o ''tempo separados'' mas a parte de seu passado que ele não lembra é a parte mais importante e é a parte que mudou a vida dele há um tempo atrás.

Pat é assim... ingênuo e em todo o tempo é um grande otimista. Procura encontrar o lado bom da vida em tudo! Para fazer a ficha de Pat cair, seus amigos apresentam Tiffany. Uma moça com um passado igualmente difícil e que precisa alguém para lhe mostrar o lado bom da vida. O marido de Tiffany morreu há um tempo e depois disso a vida dela foi piorando a cada dia.

Eles encontram em si apoio e uma amizade bastante complicada. Mas só basta saber uma coisa: Eles entendem um ao outro e isso basta, certo? Errado... bastaria se Pat não fosse apaixonado por sua ex. 
O livro aborda muito uma temática esportiva, mostrando o quanto Pat é viciado em futebol e exercícios, obcecado por ''estar em forma'' achando que essa seria um dos motivos de seu rompimento com sua ex-mulher. Apesar de falar muito (sim, muito) em futebol americano e eu não saber muito sobre isso, o livro me passou cenas engraçadas e divertidas, principalmente do pai de Pat: Patrick, que era muito supersticioso e a única hora em que falava com o filho era para falar sobre futebol.

Quanto a Tiffany, ela é uma excelente dançarina e encontra na dança, maneiras de superar sua depressão. Os momentos que talvez sejam bastante irritantes é que Pat não parava de falar de Nikki, e isso faz o leitor odiar a mulher ausente. Seria um spoiler gigantesco se eu falasse a razão do rompimento, visto que é um segredo até para o protagonista. No desenrolar da vida de Pat ele encontra pessoas ótimas, como o seu terapeuta que acaba virando um amigo e seu colega Danny e suas gírias raciais. O personagem principal nos apresenta um arsenal de obras literárias (e o final delas, sim leitor... Matthew Quick não poupou sua obra de spoilers sobre outras) e nos faz querer ler todos (bom, pelo menos me fez querer ler todas), as obras citadas são: 

- O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald
- A letra escarlate - Nathaniel Hawthorne 
- Adeus às armas - Ernest Hemingway
- A redoma de vidro - Sylvia Plath
- As aventuras de Huckleberry Finn - Mark Twain 
- O apanhador no campo de centeio - J. D. Salinger

E tem também uma trilha sonora bem legal... 

A música trauma de Pat: Kenny G. - Songbird 
E a música de um dos momentos mais bonitos do livro: Bonnie Tyler - Total Eclipse of The Heart 

Amei o livro, foi para os favoritos no skoob e recomendo sem hesitar... 

Vamos ao filme:  




  

Fui no cinema um dia depois que eu terminei de ler o livro e olhem: Gostei também do filme, apesar do roteiro baseado no livro ter sido 60% modificado. Os personagens são engraçados e o que eu acho que faltou foi um pouco de personalidade para Pat por conta do Bradley Cooper. Jennifer Lawrence foi muito bem fazendo Tiffany e rolou muita química. O final do livro (o grande final, o grande segredo...) é posto no começo do filme e Pat não é viciado em futebol (ele gosta) e nem em exercícios físicos (ele corre... com um saco de lixo no corpo, assim como no livro: ele acredita suar mais fazendo isso) e a trilha sonora do filme (que eu considero ser bastante importante) foi 100% ''contemporaneisada'' e tirou o efeito vintage criado com as musicas do livro que eram clássicos.

Quando Pat sai do lugar ruim e chega em casa, é recebido com um grande abraço do seu pai (!) e não liga muito em assistir a jogos com ele. Tiffany é toda problemática e depressiva (fiel ao livro).

O final foi modificado radicalmente e achei que ficou bem mais romântico e bem mais a cara de ''filmes''.

Trilha sonora do filme: 

1. Silver Lining Titles - Danny Elfman
6. The Moon Of Manakoora - Les Paul & Mary Ford
7. Monster Mash - CrabCorps
8. Goodnight Moon - Ambrosia Parsley The Elegant Too
10. Walking Home - Danny Elfman



Recomendo ambos, é claro. 

5 comentários:

  1. Mais que recomendado! Amo os dois...

    ResponderExcluir
  2. Li o livro em um dia, gostei bastante e tive a curiosidade de ir ver o filme, achei que o mesmo pecou em relação às maneiras que: Tiffany conta qual foi o seu problema ( no caso, o motivo da demissão- achei bonitinha a carta que ela fez e dava mais um sentimentalismo para a historia, já a maneira que ela contou naquela lanchonete foi meio 'agressiva') e pelo fato de Pat lembrar o que aconteceu para ele ir para o 'lugar ruim', acho que fica sem sentido ele ter tanta força de vontade para reconquistar a ex sabendo do que ela fez. Sem falar na dança contra depressão, quando eu estava lendo o livro vi aquela cena de uma forma classica, quase me emocionei só imaginando- kkk, até por que a musica 'total eclipse of the heart' é PERFEITA para eles,até agora me pergunto por que optaram para ser cômico ao invés de mostrar a perfeição que tiffany tanto presava no livro.

    ResponderExcluir
  3. Particularmente, achei o filme chato e o livro é irritaaaaaaaaaaaaaante demais. O Pat me dava nos nervos, sério. Falei do livro lá no meu blog: http://pipocamusical.com.br/2013/03/06/o-lado-bom-da-vida-o-livro-de-matthew-quick-que-deu-origem-ao-filme/

    Beijo!

    Raquel
    www.pipocamusical.com.br

    ResponderExcluir
  4. Amei os dois, tinha visto apenas o filme mais depois que li o livro eu me apaixonei... E agora vou começar a ler os livros que foram citado por Pat Peoples.

    ResponderExcluir
  5. Contraste interessante entre as duas versões. Para mim, eu ainda tenho que ler o livro. Filme muito bom. Bem dirigido, um bom roteiro, divertido, inteligente. Jennifer Lawrence esta digna em seu personagem, ja mostrou que é uma excelente atriz, ja Bradley Cooper me surpreendeu, a história tem sido os melhores filmes com Bradley Cooper que eu vi. Atuações ótimas até mesmo dos coadjuvantes Robert De Niro e Jacki Weaver estão ótimos. Uma ótima historia, madura, diferente de todas essas comedias dramáticas/românticas. Vale muito apena acompanhar.

    ResponderExcluir