segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Resenha: Peter Pan - J. M. Barrie

 

Sinopse: Peter Pan, o menino que não queria crescer, mora na Terra do Nunca – uma ilha em que moram também a minifada Sininho, os meninos perdidos, os Aborígines Silvícolas, o capitão Gancho e seus piratas, feras, sereias, golfinhos e um crocodilo. Wendy e seus irmãos João e Miguel moram em Londres. Uma noite, Peter Pan leva os três irmãos para a Terra do Nunca, onde vivem aventuras que têm encantado gerações desde 1904, quando Peter Pan, o menino que não queria crescer estreou como peça teatral. 

Ainda estou passando pela onda fofa que esse livro me deixou. Um clássico adorável que me arrependo de não ter lido antes. Conhecer Peter Pan acho que todo mundo conhece. Nunca tinha lido a história em si. Ele me fez voltar a inocência da infância, onde todas as coisas eram tão simples... quando você só tinha que se preocupar com o horário do desenho animado e... ok, foco.

O livro conta a história de Peter Pan, Wendy, João, Miguel e Sininho. Aventureiros que desbravam perigos mortais em busca de aventuras e descobertas. Tudo começa quando Peter começa a visitar o quarto dos irmãos Wendy, Miguel e João e passa a tenta-los à descoberta de um mundo até então desconhecido por eles.

''Na Terra do Nunca de Wendy, ela morava em uma cabaninha feita de folhas, com um lobinho de estimação. Às vezes, ela era uma sereia que passava o dia todo despenteando a cabaleira dourada de três metros ou nadando com golfinhos prateados.
Na Terra do Nunca do João havia sete tribos de índios. Cada dia da semana, ele morava em uma taba e nadava em um lago com muitos flamingos voando por cima. De vez em quando, o João laçava um flamingo com uma corda e domava, como em um rodeio.
A Terra do Nunca do Miguel era um berço gigante com vários cadeirões, onde os pais, os irmãos e a Naná ficavam sentados e ele podia dar doces, sopa ou remédio na boca de cada um. Como queria sempre imitar o irmão mais velho, mas nem sempre entendia o que ele falava, na ilha do Miguel tinha um flamingo com várias lagoas voando por cima.'' Pág 14. 

Peter era um garoto que fugiu quando ainda tinha um aninho e desde então viveu no mundo até encontrar (ou criar) a Terra do Nunca. Servindo de chefe para crianças perdidas ou animais domáveis, ele comanda a Terra e vive em paz... pelo menos até seu inimigo Capitão Gancho aparecer e colocar tudo em perigo.

Wendy é filha de pais conservadores que só se importam com o que a sociedade pensa ou deixa de pensar. Seus irmãos são apaixonados por aventura, enquanto ela... por romances. Eles não perdem a oportunidade e resolvem sair em busca disso tudo numa terra prometida por seu visitando Peter. Fogem voando pela janela.

E, com certeza acontecem aventuras maravilhosas e imperdiveis nessa viagem... aventuras inenarráveis até J. M. Barrie colocá-las no papel. Aventuras que prevalecem e prevalecerá durante séculos. Aventuras que estão apenas esperando você para desbrava-las...

''Dizem que algumas mães abrem a tampa da cabeça dos filhos enquanto eles dormem e arrumam os pensamentos e as ideias que estão lá em forma de palavras, como se dessem um jeito em um móvel com prateleiras e gavetas, cheio de coisas.
As mães fazem essa arrumação de modo que tristeza, inveja, raiva e outras coisas ruins ficam na parte que não se vê e acabam esquecidas. E por cima ficam as coisas boas: as amizades, os planos, as piadas, as histórias engraçadas. Assim, quando os filhos acordam, estão animados, otimistas, prontos para viver um grande dia'' Pág 15. 

E quanto a edição??? Galera, a FTD se superou... desde a capa até diagramação. Com ótimas ilustrações, adaptação ótima, é indicada ao público infantil mas Flavio de Souza tornou ela acessível a qualquer público. Desse jeito, dá uma vontade de ser criança!

4 comentários:

  1. Parabéns pela resenha. A história de Peter Pan é eterna. A adaptação para o cinema é também perfeita. Povoa a minha infãncia. Vou te confessar: sou fã da fada Sininho por sua doçura, inteligência e perspicácia. A história povoa a minha infância há um tempo. Não importa o contar dos anos, na verdade, o tempo é uma bricadeira. Como diz Drummond, em relação ao tempo, "são mitos do calendário".
    Boa sorte ao resenhista e escritor.
    Abraço,
    Rosalva Maria

    ResponderExcluir
  2. parabéns pela resenha... mto boa mesmo e me ajudou mtoo pois preciso fazer um tcc e estava pensando em usar Peter Pan como uma das biografias para eu me basear, sua resenha me mostrou que este livro era a bibliografia que precisava.
    obrigada.
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir